sexta-feira, 5 de janeiro de 2007

A morte

Seus olhos enxergam
O que a ti é invisível
Suas garras dilaceram
Até mesmo o intangível

Ninguém foge à sua verdade
Nada vai contra sua fúria
E se ouves a lamúria
Diminui-se a piedade

O fim é o que ela prega
amiga e inimiga da justiça
e tão cega quanto ela

Sai a qualquer hora ou dia
Do abismo que se esconde
Buscando nova companhia

2 comentários:

Lita disse...

seus olhos e seus olhares, milhares de tentações..
haeuiaheih
foi mal, mas soh consigo pensar nisso agora =P

Sitanel disse...

78/100